Curso

O Curso Fotografando o Inconsciente chega à sua 5ª edição. Técnicas de longa exposição, light painting, múltiplas exposições e meditação para aprofundar-se em sua fotografia autoral.

Comercial

Produções em estúdio ou em externas respeitando o briefing e as necessidades do cliente, imprimindo personalidade e relevância na comunicação voltada para a venda ou para a informação.

Autoral

Galerias onde meu estilo e expressão artística são melhor apreciados. Séries que exploram temas como a água, o urbano, os sonhos ou que são resultados de projetos mais longos e complexos.

Calefação

Blog onde publico o início de trabalhos mais longos ou simples devaneios. Meu processo criativo dinâmico, sem amarras ou pretensões: fotos, vídeos e textos em constante evolução.

Catálogo

Atualizado semestralmente com novos trabalhos, o catálogo é a melhor forma de escolha para colecionadores de arte e admiradores do trabalho de Vitor Schietti.

Gaia

A vida no planeta é mais do que manifestação dinâmica de uma cadeia evolutiva. É o próprio planeta, entidade viva há muito reconhecida pelas tradições antigas. Gaia é a síntese de um conceito ainda difícil de ser assimilado pela mente moderna, é a mãe que nos acolhe a todos, sendo nós, também, partículas conscientes desse gigante corpo, tais como as células de neurônios no cérebro de um animal.

Sem a pretensão de ilustrar a pluralidade da vida terrestre, a presente série faz um breve passeio por imagens de animais e plantas de diferentes continentes. O elo entre cada uma reside no dinamismo da vida, que evolui através dos éons, saltando de uma manifestação a outra, adaptando-se às particularidades de cada habitat, em uma incessante dança entre elementos naturais e elementos vivos.

Cães domesticados, frutos da manipulação humana, figuram entre os retratos de animais selvagens, porém não constituem exemplos de desprendimento do fluxo natural das coisas. Nós fazemos parte deste fluxo, e todas nossas ações também o fazem, ainda que, por muitas vezes, pareçamos ir na direção contrária àquela apontada pelas tradições milenares, pelo entendimento do que deve ser a harmonia do homem para com o meio.

Entre texturas de folhas e conchas, cristais esbranquiçados. São uma forma primitiva de vida, com capacidade de crescimento e morte. O meio mineral antecede o vegetal no impulso pela vida. “A vida tem um papel na origem dos minerais assim como os minerais têm um papel na origem da vida.” (Robert Hazen)

Entre a lava negra de um vulcão adormecido, uma árvore colonizadora, esforço hercúleo da vida em brotar em cada pedaço de chão disponível. Em cada rachadura no asfalto quente, em cada vão entre os prédios de uma metrópole, Gaia manifesta-se.